2 de jul de 2014

Conflitos

Certa vez atendi em meu consultório um rapaz com um pouco mais de 30 anos em grande sofrimento emocional.

Profissionalmente,  sentia-se feliz e realizado. O único tempo em que conseguia desviar a atenção dos seus pensamentos conflituosos era o período em que trabalhava. Fora do trabalho, o rapaz sentia-se dominado por muitos pensamentos e emoções que o abalavam tanto mentalmente como fisicamente.

Em nossa vida, é comum nos depararmos com dois caminhos: A ou B, X ou Y e quando isso acontece é como se ficássemos estagnados durante um período que pode se estender por anos.

Este rapaz, por exemplo, namorou uma jovem durante anos e seu relacionamento era estável e tranquilo. Com o tempo, a relação se desgastou, o rapaz conheceu outra garota e acabou se envolvendo com ela.

Por um longo período, ele sentia-se culpado por ter traido a ex-namorada e não conseguia manter-se inteiro em seu novo relacionamento.

A situação se agravou quando este rapaz teve acesso à conta de e-mail da sua atual namorada e descobriu que ela se relacionava de forma carinhosa com seu ex- namorado.Ele ficou furioso e passou a sentir-se inseguro neste relacionamento.

Os três então passaram a viver em uma tríade de ataques e defesas. A ex-namorada, inconformada pelo término do namoro e por ter sido traída, passou a enviar, com frequencia, mensagens ofensivas ao rapaz. A atual aceitava essas ofensas de forma passiva e ele, da mesma forma que era atacado, também atacava.  

Quando eu ouvia os discursos deste rapaz em meu consultório, ficava refletindo nesta psicodinâmica e, utilizando de empatia, conseguia entender o nível de estresse que estas três pessoas estavam sentindo. Todos emocionalmente dependentes.

O rapaz em questão não vivia plenamente sua vida por não conseguir definir-se, não possuía metas individuais e tinha medo de perder uma das mulheres, ou as duas.

É como se ouvisse a voz de um anjinho e um diabinho.

O anjinho dizia: "Preciso fazer algo por mim". "Estou infeliz comigo mesmo", "Estou infeliz com as duas". Por outro lado, o diabinho dizia: "Mesmo que você não esteja feliz, é melhor se manter assim", "Você pode perder as duas", "Você não sabe ser sozinho".

"Vai que"... "E se"... Trata-se daquela voz da auto-sabotagem. E se você estiver se perguntando se já ouviu esta voz, lembre-se de algum momento em sua vida no qual você quis fazer algo diferente, inclusive para o seu bem, e não fez porque "vai que não dê certo".

O grande desafio no processo terapêutico com este rapaz, assim como para todos nós quando nos deparamos com situações de conflitos, é o de olhar-se.

Olhar para si e se auto-conhecer, o fará entender a dinâmica, aceitá-la e a partir daí perceber novas possibilidades para atuar de forma diferente.

Focar naquilo que se quer que aconteça nos possibilita ouvir a voz do anjinho, como por exemplo: "Quero ter saúde". Quando dizemos esta frase, mesmo que seja em pensamento, formamos imagem na mente do que é ser saudável. Isso ativa a memória e ela por sua vez, traz sensações prazerosas. Com crenças potencializadoras, será possível manter-se resiliente e constante para atingir este objetivo.

Ainda assim, é bem provável que ainda escutemos a voz do diabinho em diversas situações, pois antigos padrões de comportamento insistem em voltar. Ele quer "te proteger", te manter na zona de conforto, que de confortável não tem nada, mas mesmo assim é mais fácil do que mudar...

E ai você escolhe...

...Vai ouvir quem?



Texto de: Fernanda Mion
Psicóloga Clínica

Revisado por: Letícia Venansi
Estudante de Direito

4 comentários:

  1. Eu não escolheria continuar com nenhum dos dois relacionamentos. Acredito no relacionamento quando é maduro, onde tenha cumplicidade, confiança e respeito. Uma vez que se rompeu e começou um querendo ofender ao outro, colocando seus egos e suas vontades acima do respeito, eu não vejo uma relação gostosa e isso não vá adiante de forma bacana e leve. É necessário resolver dentro de si seus conflitos, culpas e medos, porque com esse peso que o moço ficou, ele não terá nenhum relacionamento fortalecido e bacana.

    ResponderExcluir
  2. Realmente complicada situação , vivi algo parecido a 10 anos atrás que por motivo de insegurança também fiquei em uma situação onde no momento eu não enxerguei direito oq estava ocorrendo mais vivi um inferno durante 1 ano e meio. Mais foi uma grande lição onde na época eu me confortava e vivia mais para o trabalho apenas no pensamento de ganhar mais e ter algo . mais hoje me pergunto o que eu realmente queria? Hoje com meu próprio negocio não tenho mais essa opção de querer mais e mais . hoje sou uma pessoa mais centrada em busca apenas da paz. Tanto no serviço quanto em um relacionamento onde um se dedica ao outro, correndo atrás dos objetivos juntos. Bom é isso Fe, o texto esta muito bom e com alto grau de entendimento, acredito q muitas pessoas ao verem , com certeza irão se identificar. Pois em algum momento em nossas vidas, já vivemos algo parecido. Vlw Fê beijos .

    ResponderExcluir
  3. Oi Fê. Gostei muito do texto principalmente quando cita o quanto é difícil sairmos da zona de conforto. Toda dependência de algo ou alguém gera o medo de sairmos dessa zona. E penso que uma ajuda especializada é fundamental para reencontrarmos um espelho e voltarmos a nos olhar... bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza prima! Ajuda sim! Pena que muitos não sabem disso!

      beijos e mais uma vez: obrigada por sua visita e carinho de sempre!

      Excluir

O que acontece na primeira consulta psicológica | Vídeo com a psicóloga Fernanda Mion

Olá, tudo bem? Neste vídeo eu conto para vocês o que acontece na primeira consulta psicológica. Sei que ir a uma consulta pode ser motiv...

Postagens mais visitadas