Pular para o conteúdo principal

Compulsão alimentar


Olá,

Respondi algumas questões sobre Compulsão alimentar para a repórter kelli da revista Shape, http://revistashape.uol.com.br/. Confira:


1) Quais fatores podem levar uma pessoa a ser compulsiva por comida?

Os fatores são variados, o que a ciência conseguiu comprovar até o momento é que alimentos como: doces,pães, salgadinhos, entre outros. Liberam substâncias que agem no bem estar emocional, fornecendo  uma sensação imediata de prazer. Só que, como a liberação destas substâncias agem em nosso corpo em curto prazo, logo o compulsivo precisará mais destes alimentos e se torna dependente.
Eu acredito que tenha haver com mais hábitos adquiridos ainda na infância, associados a problemas de origem emocional e os sentimentos mais recorrentes são: tristeza, raiva, tédio, sensações causadas por ansiedade, sentimentos de frustração, entre outros.

2-) Quais sinais da compulsão? Como identificá-los?

Percebo que o hábito de comer compulsivamente parece um ciclo, os episódios vem acompanhados de uma sensação de falta de controle, a pessoa come grandes quantidades de comida e de forma rápida, sem conseguir parar mesmo quando já saciada e posteriormente vêm sentimentos de culpa e vergonha.

3-) Existe uma média de pessoas, (a cada 10, por exemplo )  são compulsivas e as causas mais profundas da compulsão por comida?

Pesquisas realizadas em outros países demonstram que a compulsão alimentar acomete cerca de 1,5% da população adulta. Em relação aos obesos, os estudos revelam, que estes números podem subir para 12%. Para os obesos, considerados grau três, aqueles que são candidatos para a redução de estômago, este número está entre 25 e 50%. As causas deste transtorno ainda são desconhecidas. Porém, já se sabe que 50% das pessoas, têm depressão.

4-) Como deve ser o tratamento? Existem remédios?

O ideal é que haja um tratamento multidisciplinar, que inclui o médico, o psiquiatra, endocrinologista, um nutricionista e o psicólogo. O psiquiatra, provavelmente será o responsável em prescrever a medicação. A finalidade dos remédios, é de liberar substâncias que possam causar efeitos similares ao prazer de comer, diminuindo assim a necessidade da ingestão de alimentos. O endocrinologista, para acompanhar os riscos da obesidade no organismo. O nutricionista, para restabelecer um hábito nutricional mais saudável e o psicólogo que através de técnicas, ajudam a eliminar as causas emocionais e também atuam no reforço para a  conquista de uma reeducação alimentar.

5-) Podemos tratar a compulsão como doença? Como ela age no corpo?

A compulsão por alimentos é considerada um transtorno, e como a causa é emocional, ela ocorre porque a pessoa normalmente está depressiva ou não consegue controlar a ansiedade que são consideradas doenças psíquicas.
Acontece que o compulsivo por alimentos pode adoecer, porque a consequência de comer em excesso causa obesidade, e com isso, está vulnerável à todos os riscos que o obeso pode sofrer como: diabetes, infarto, pressão alta, complicações cardíacas, problemas osteomoleculares e articulares. Além disso, pela ingestão exagerada de alimentos a pessoa pode adquirir problemas gástricos.

6-) A compulsão é causa frequente da obesidade?

Eu diria que a obesidade é causa frequente da compulsão. A maioria das pessoas que comem de forma compulsiva ganham peso, no início a pessoa pode ter algum sobrepeso e se a compulsão for levada por um longo tempo, é inevitável, a pessoa passará a ser obesa pela grande quantidade de alimentos ingeridos.

7-) Qual a faixa etária que a compulsão por comida atinge mais frequentemente?

Estudos apontam que a compulsão alimentar ocorre com mais frequência na segunda ou terceira década da vida do ser humano. As mulheres procuram mais ajuda especializada comparada aos homens.

8-) Algo mais importante a acrescentar?

É importante ressaltar que a compulsão alimentar tem cura, assim como outras compulsões como o tabagismo por exemplo. Pode ser mais fácil do que a pessoa imagina! O sucesso dos tratamentos dependerá da vontade das mudanças, a partir daí os profissionais especializados se dedicarão através através das suas respectivas técnicas a elaborar um plano de ação que irá ajudar a pessoa a dar um novo significado para as emoções, a se reeducar e assim e manter novos hábitos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que acontece na primeira consulta psicológica?

Olá caros amigos,

Resolvi escrever este texto após ter realizado uma consulta inicial de avaliação com uma moça que disse estar muito "nervosa" neste primeiro contato.

Tanto ela quanto outras pessoas já me revelaram que antes de ir ao consultório para uma avaliação psicológica, sentiram-se ansiosas, com dúvidas do tipo:


- Mas o que eu devo falar?
- Por onde eu devo começar?
- O que será que a psicóloga vai pensar de mim?
- Será que ela vai ficar me analisando?
- E se ela contar o que eu disser para alguém?

... entre outras, e muitas vezes sentem reações físicas, como: dores de cabeça e na barriga, suor excessivo, insônia, etc.

Para que estas reações e questionamentos não sejam impedimento para se procurar terapia, segue abaixo alguns esclarecimentos sobre o que acontece nesta primeira consulta.

Nós psicólogos, consideramos as primeiras consultas como um período de avaliação. É quando nos conhecemos pessoalmente, conhecemos as queixas e elaboramos um planejamento para ser s…

Conheça as principais linhas terapêuticas e decida qual a melhor para você:

Se você já procurou por algum profissional da minha área, já deve ter notado que alguns psicólogos são psicanalistas, outros Junguianos, outros trabalham com psicoterapia breve, psicoterapia cognitivo comportamental, outros com Gestalterapia, outros com a Hipnose ou PNL (como eu).

... Mas afinal, qual é a melhor para você? Qual linha de terapia você deve buscar???

Primeiro acredito ser importante ressaltar que estas diferentes linhas terapêuticas são as especializações dos psicólogos, que as escolhem muitas vezes por identificação pessoal. O que é importante salientar é que independente da linha que o psicólogo segue nos processos terapêuticos, todas possuem o mesmo objetivo em comum: "Ajudar" e "acolher" quem nos procura e desenvolver um profundo sentimento de bem estar. Além disso, todas as linhas têm o seu mérito e buscam os resultados para os diversos tipos de sintomas, como por exemplo: Estresse, ansiedade, depressão, fobias,  traumas, conflitos, dificuldades…

Filosofia do Sucesso por Napoleon Hill