31 de jul de 2013

A imagem que eu passo ao mundo


 Quando a gente não se aceita...
Quando a gente não se gosta...
Nos olhamos no espelho e enxergamos somente o que não queremos ver, não gostamos do nosso peso, da nossa aparência, do nosso cabelo, de NÓS!
Quando não nos sentimos felizes com nós mesmos, nossas escolhas,não nos sentimos capazes... 
Queríamos fazer mais, SER mais!
Quando não nos sentimos felizes com as nossas relações com as pessoas, com o mundo...
Quando olhamos para dentro de nós e nos achamos chatos, "sem graça", não gostamos do que falamos, de como nos portamos...
Pensamos: Como alguém pode ser meu amigo? Eu não seria meu amigo!
Como alguém pode querer ter um relacionamento comigo? Eu não teria!  
Sou feia, não gosto do meu corpo, sou chata,não sou agradável, sou,sou, sou...
Centenas de auto julgamentos, auto sentenças, autopunições...
" Os outros veem você, como você se vê " Melanie Klein
Quando nos condenamos desta forma, as pessoas vão nos condenar desta forma também.Não porque realmente somos assim, mas porque nos mostramos assim ao mundo,ocultamos nossas qualidades, nosso "brilho" e nos mostramos como uma pessoa que tem somente defeitos e imperfeições.
Não existem "fórmulas" de perfeição, cada ser humano é único e tem um brilho que é somente seu, qualidades somente suas, algo que você tem, um diferencial.
Nossa beleza se mostra ao mundo, quando nos aceitamos com nossos defeitos e qualidades, nos mostramos assim, do jeitinho que somos... Branca, negra, ruiva, japonesa, magra demais, com uns quilinhos a mais, algumas celulites,com o cabelo que não acordou tão legal...E mesmo assim somos lindas, porque nos amamos, sorrimos ao mundo e mostramos a ele esta beleza única, com estas qualidades e traços que só nós temos!
E assim, mesmo com suas supostas imperfeições podemos parecer mais lindas do que as modelos nas capas de revistas, que por vezes parecem lindas, impecáveis. Mas podem não se aceitar, não se sentir felizes nesta busca de um corpo e aparência ideal, se mostra ao mundo sem seu brilho natural, parecendo apenas uma mulher bonita.
A beleza, às vezes está em se olhar no espelho e fazer caretas, e assim encontrar suas qualidades, descobrir que tem olhos bonitos que não enxergava, que gosta do seu sorriso, e de repente as imperfeições parecem tão pequenas...
A beleza pode estar em rir com os amigos, gargalhar da forma mais natural possível.
Permitir-se comer aquele chocolate que desejamos de vez em quando e voltar à dieta depois. Sermos engraçadas, cometer alguns deslizes de vez em quando, mas simplesmente nos amar assim mesmo, exatamente do jeitinho que somos!
E isto, nos diferencia do mundo, faz com que as pessoas olhem pra você e gostem de você também, te achem linda porque sorri, mostra ao mundo quem você é, sem retoques, máscaras ou artifícios!
É importante sim, a gente querer ser melhor, cuidar do nosso corpo, sermos saudáveis, cuidar de nós!
Mas, mais importante que tudo isso é cuidarmos dos nossos pensamentos, porque são o que temos de mais valioso!
Nossos pensamentos, tem força, tem energia! Vibram ao nosso redor e o mundo sente estas vibrações sendo boas ou ruins.

Que vibração queremos emitir ao mundo?
Como queremos que as pessoas nos enxerguem?
Vamos aprender a gostar de nós mesmos?
Vamos parar de nos boicotar?

" Aprender a se colocar em primeiro lugar, não é egoísmo, nem orgulho. É amor próprio!"
Charles Chaplin


Natália Marques
Assistente da Fernanda Mion
Estudante de psicologia

22 de jul de 2013

A dor de uma separação



Quando um relacionamento acaba muitos questionamentos nos vêm à mente, queremos respostas, queremos arrumar culpados, afinal, queremos saber quem e o que foi que nos causou tamanho sofrimento... e que sofrimento!... que dor!...

O rompimento de uma relação também é um luto e para superá-lo precisamos passar por algumas etapas. Talvez o jeito mais fácil seja responder algumas destas perguntas: "Se doí tanto, por que insistimos tanto naquilo que nos faz tão mal?", "Será que este sofrimento é tão intenso por que negamos a realidade dos fatos?", "Quanto de expectativa colocamos no outro?", "Por que queremos mudar quem não quer ou nem percebe o que precisa ser mudado?"... Penso que a resposta para todas estas questões esteja em enfrentar a realidade dos fatos e não aquela realidade que idealizamos.

Enquanto este enfrentamento não ocorre, ficamos sofrendo não pela realidade em si, mas na espera de quem foi embora volte para nos salvar. Só que enquanto isso não acontece, se é que é isso que vai acontecer, não reagimos e continuamos a sofrer e o pior, demora mais para superar e para nos reconstruir, afinal ainda estamos envolvidos emocionalmente pela sensação de abandono, entre outras...

Porém, o pior abandono é quando nós nos abandonamos. Quando não lembramos de quem somos, quando não nos valorizamos, não nos cuidamos, quando deixamos de ser o protagonista da nossa própria vida em função do outro. Vamos perdendo o nosso brilho, a espontaneidade, a vontade e sofremos mais e mais por nos negligenciar. Choramos pelo outro, enquanto deveríamos chorar por nós mesmos, afinal permitimos que isso tudo acontecesse.

É claro que a separação nos traz sofrimento, é inevitável, toda esta dor faz parte da elaboração do luto, por isso, é bom chorar quando se tem vontade e expressar o que sente de alguma forma até para evitar adoecimento no corpo, costumo dizer que este é o momento de sentir e se voltar a reflexão para buscar respostas dentro de nós mesmos para aprender com a adversidade.

E... por que não mudarmos a nós mesmos?

A intensidade e a duração deste sofrimento dependerá do tempo que levamos para nos aproximar de QUEM SOMOS. Por isso, é importante deixar de resistir as nossas mudanças, deixar de amar o outro para amar a nós mesmos e aproveitar este momento para ficar com a gente mesmo. Aos poucos vamos percebendo que estar só também é bom, na verdade é um privilégio! Nos proporciona resgatar a nossa própria identidade, viver a nossa própria privacidade, é possível repousar, refletir, estudar, pensar, aprender...

... vivenciar momentos que são só nossos e curtir a nossa própria companhia também traz satisfação!

Escrever este texto me fez lembrar de um poema escrito pelo incrível Charles Chaplin, acredito ser o fechamento perfeito do que quero transmitir...

...Apreciem e vamos saber viver!

Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exato. E então, pude relaxar.
Hoje sei que isso tem nome... Autoestima.

Quando me amei de verdade, pude perceber que minha angústia, meu sofrimento emocional, não passa de um sinal de que estou indo contra minhas verdades. 
Hoje sei que isso é... Autenticidade.

Quando me amei de verdade, parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento.
Hoje chamo isso de... Amadurecimento.

Quando me amei de verdade, comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar alguma situação ou alguém apenas para realizar o meu desejo, mesmo sabendo que não é o momento da pessoa ou a pessoa não está preparada, inclusive eu mesmo.
Hoje eu sei que o nome disso é Respeito.

Quando me amei de verdade comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável... pessoas, tarefas, tudo e qualquer coisa que me pudesse para baixo. De início minha razão chamou essa atitude de egoísmo  Hoje eu sei que o nome disso é... Amor próprio.

Quando me amei de verdade, deixei de temer o meu tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os projetos megalômanos de futuro. Hoje faço o que acho certo, o que eu gosto, quando quero e no meu próprio ritmo. 
Hoje sei que o nome disso é... Simplicidade

Quando me amei de verdade, desisti de querer sempre ter razão e, com isso, errei menos vezes.
Hoje descobri a... Humildade.

Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de me preocupar com o futuro. Agora, me mantenho no presente, que é onde a vida acontece.
Hoje eu vivo um dia de cada vez, isso é... Plenitude.

Quando me amei de verdade, percebi que minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada. 
Tudo isso é Saber viver!!!

Um abraço,

Fernanda Mion




Você quer amar ou ser amado?


"Se a libertação está em amar e o que você quer é ser amado, é claro que você está na contramão da vida e da libertação. Na medida em que vai amadurecendo, e consequentemente iluminando a inteligência, é natural que você queira amar ao invés de ser amado. Você pode não saber como, mas já pode compreender essa mecânica do psiquismo, o que já é uma grande vitória. Então, você pode orar conscientemente: "Que eu possa considerar ao invés de querer ser considerado". A necessidade de receber amor exclusivo se traduz em carência afetiva, em dependência, em todo tipo de apego e diferentes formas de controle, possessividade, ciúme... Em todos os outros tipos de desdobramentos disso"

Sri Prem Baba

Um pouco de Skinner



"O auto-conhecimento tem um valor especial para o próprio indivíduo. Uma pessoa que se ‘tornou consciente de si mesma’, por meio de perguntas que lhe foram feitas, está em melhor posição de prever e controlar seu próprio comportamento." 
                                                 Skinner

Burrhus Frederic Skinner  foi um autor e psicólogo americano.
Conduziu trabalhos pioneiros em psicologia experimental e foi o propositor do Behaviorismo radical, abordagem que busca entender o comportamento em função das inter-relações entre a filogenética, o ambiente (cultura) e a história de vida do indivíduo.

1 de jul de 2013

Quem não tira férias pode ter depressão e outros males; teste seu risco


Olá amigos,

Dei minha contribuição como psicóloga para a matéria da repórter Rosana Farias de Freitas do Portal Uol.

O tema da matéria é: "Quem não tira férias pode ter depressão e outros males; Teste seu risco"

Para ler e fazer seu teste, clique no link abaixo:


http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2013/06/28/quem-nao-tira-ferias-pode-ter-problemas-de-saude-dizem-especialistas.htm

O que acontece na primeira consulta psicológica | Vídeo com a psicóloga Fernanda Mion

Olá, tudo bem? Neste vídeo eu conto para vocês o que acontece na primeira consulta psicológica. Sei que ir a uma consulta pode ser motiv...

Postagens mais visitadas