Pular para o conteúdo principal

Como lidar melhor com a ansiedade?

É comum eu ouvir perguntas vindas das pessoas que eu atendo: "O que eu faço para deixar de ser ansioso?" Sempre explico, que ninguém deixa de ser ansioso. Faz parte de todas as espécies na Terra. Até os animais sentem ansiedade. Ela tem até um lugar reservadinho no cérebro, lá no sistema límbico ao lado do medo.

O que eu sugiro é que devemos lidar melhor com ela e conforme vou escrevendo, vou te contando como.

A ansiedade está no futuro, é uma preocupação com que pode acontecer, mas não significa que vai acontecer. É diferente do medo neste sentido, pois o medo está no momento presente, exemplo: Vi um ladrão, senti medo. Achei que pudesse ser um ladrão, senti ansiedade.

Saber diferenciar o que é medo de ansiedade nos possibilita perceber e reconhecer quando este sentimento de ansiedade está agindo no momento. A partir daí, é importante ressignificar os pensamentos de preocupações por novos. Lembre-se que podemos modificar este sentimento, alterando a linguagem dos pensamentos, alterando a fisiologia, movimentando-se para fazer coisas diferentes, tirando assim o foco da atenção em qualquer tipo de preocupação.

Outro dia escutei minha avó dizer: "Nós temos que nos preocupar com as coisas! Daí eu pensei: "Quem foi que disse isso para ela? Ainda bem que logo em seguida ela falou: "Se bem que quem se preocupa demais com as coisas sou eu, preciso melhorar isso".

Proponho substituir "preocupação" por "atenção". Tenho que me atentar a esconder o dinheiro quando realizo um saque no caixa eletrônico, ou seja, utilizar a ansiedade a nosso favor, pois é para isso que ela serve. A ansiedade e o medo são semelhantes aí, por que a função deles é nos preservar, nos proteger e não ser mais um vilão.

Já li muitos textos e já ouvi muitas pessoas dizerem que a ansiedade faz parte da nossa atualidade, concordo, até por que basta assistir 5 (cinco) minutos de jornal para se deparar com situações totalmente adversas, que podem abalar qualquer ser humano, porém se nós estudarmos um pouco mais sobre a história, é possível perceber que a ansiedade já existe desde que o mundo é mundo. Imagine uma época onde não existia nada, há milhares de anos atrás, onde os nossos ancestrais não tinham casa e nem as ferramentas que nós temos hoje para construir lares. Se elas não se "atentassem" e não sentisse ansiedade, elas seriam presas fáceis para um predador solto pelo mundo atacá-las a qualquer momento. Nos animais, imaginem um peixinho pequeno no meio do oceano, o nível de ansiedade sentida, afinal, ele pode ser ingerido por um peixe enorme a qualquer momento.

Em nossa linguagem, a ansiedade aparece muito quando nos questionamos: "E se"... exemplo: "E se eu disser isso e ela não gostar?", "E se eu não conseguir aprender?", "E se não der certo?"... perceba que é uma preocupação com o que pode acontecer? Daí para modificar este padrão de linguagem e alterar os sentimentos que sucedem este pensamento, é importante se "atentar" ao preparo para minimizar as possíveis falhas e alterar o pensamento para "E se der certo"? Contar com a possibilidade de dar certo, muito mais do que com a possibilidade de dar errado!

Isso certamente minimizará a nossa ansiedade e fará com que utilizemos este nosso instinto de preservação ser o que é para ser: Nosso protetor! Ser aquele que diz: se prepara, se cuida, se atente.

E se ainda assim, ficar difícil controlar a ansiedade e minimizar os seus efeitos, eu recomendo que seja procurado ajuda de profissionais especializados. Afinal, se muitos conseguem conviver pacificamente com a ansiedade, porque outros não conseguem? Nestes casos ajuda é bem vinda!


Um grande abraço
Fernanda Mion


Comentários

  1. Oi Fê. Adorei o texto. E tava bastante ansiosa para chegar ao final do texto, rsrsrsr.
    Brincadeira... Gosto dos seus textos. São simples, fáceis se serem entendidos e gostosos de ler.
    Grata pelo esclarecimento
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Fico muito feliz Cé! Obrigada pelo carinho!
    Um beijão p/ vc e toda família

    ResponderExcluir
  3. Fê, muito bom! Adorei! E me lembro de termos conversado sobre isso. É sempre bom reforçar ;)
    Bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que acontece na primeira consulta psicológica?

Olá caros amigos, Resolvi escrever este texto após ter realizado uma consulta inicial de avaliação com uma moça que disse estar muito "nervosa" neste primeiro contato. Tanto ela quanto outras pessoas já me revelaram que antes de ir ao consultório para uma avaliação psicológica, sentiram-se ansiosas, com dúvidas do tipo: - Mas o que eu devo falar? - Por onde eu devo começar? - O que será que a psicóloga vai pensar de mim? - Será que ela vai ficar me analisando? - E se ela contar o que eu disser para alguém? ... entre outras, e muitas vezes sentem reações físicas, como: dores de cabeça e na barriga, suor excessivo, insônia, etc. Para que estas reações e questionamentos não sejam impedimento para se procurar terapia, segue abaixo alguns esclarecimentos sobre o que acontece nesta primeira consulta. Nós psicólogos, consideramos as primeiras consultas como um período de avaliação. É quando nos conhecemos pessoalmente, conhecemos as queixas e elaboramos um planeja

Conheça as principais linhas terapêuticas e decida qual a melhor para você:

Fonte da imagem: Google Se você já procurou por algum profissional da minha área, já deve ter notado que alguns psicólogos são psicanalistas, outros Junguianos, outros trabalham com psicoterapia breve, psicoterapia cognitivo comportamental, outros com Gestalterapia, outros analistas comportamentais e etc ... Mas afinal, qual é a melhor para você? Qual linha de terapia você deve buscar??? Primeiro acredito ser importante ressaltar que estas diferentes linhas terapêuticas são as especializações dos psicólogos, que as escolhem muitas vezes por identificação pessoal. O que é importante salientar é que independente da linha que o psicólogo segue nos processos terapêuticos, todas possuem o mesmo objetivo em comum: "Ajudar" e "acolher" quem nos procura e acompanhar o seu desenvolvimento. Além disso, todas as linhas têm o seu mérito e buscam os resultados para os diversos tipos de sintomas, como por exemplo: Estresse, ansiedade, depressão, fobias,  traumas, conflito

Mapa é Mapa!

Olá, tudo bem? Se você me conhece, já deve ter ouvido de mim a frase: " mapa é mapa"! Trata-se de uma analogia para explicar modelo mental de cada ser humano. Imagine o mapa do Brasil. Agora imagine o mapa dos Estados Unidos. O mapa é a representação de um território, certo?  E dentro de cada território existem estados, cidades, bairros... Agora pense: o que acontece quando um país invade o território do outro? Conflito, não é? O outro país irá se defender, e esta defesa acontecerá em forma de ataque. Enquanto um não levantar a bandeira branca, continuará havendo guerra. Transferindo isso para o ser humano, podemos dizer que cada um tem um mapa e que, quando olhamos para alguém, é com ele que nos deparamos. O corpo é a representação desse território que abriga valores e crenças adquiridas ao longo da sua vida,  de acordo com as interpretações feitas daquilo que se viu, ouviu e sentiu ao longo dos anos. Forma-se assim, o seu modelo mental, o seu mapa!